À semelhança do que ocorreu no ano passado nos meses que antecederam o lançamento do iPad 2, têm-se multiplicado os rumores acerca da nova versão do tablet da Apple. Os últimos dão conta de uma política de preços agressiva que poderia começar nos 299 dólares (atualmente a versão mais barata custa 499 dólares),  com o lançamento de duas versões distintas ao nível de hardware  (as versões atuais apenas variam no tipo de ligação e na capacidade de armazenamento): uma versão mais barata semelhante ao atual iPad 2 e uma versão com ecrã de alta resolução (2048×1536). Esta manobra faria parte da estratégia da Apple para combater o sucesso do vendas do Kindle Fire, o tablet de baixo preço da Amazon.
Pessoalmente, este cenário parece-me pouco provável: em primeiro lugar, porque  contraria aquela que tem sido a estratégia da Apple, que nunca fez do preço a sua principal estratégia de afirmação no mercado, e seria contraproducente começar a fazê-lo agora poucos meses depois do desaparecimento de Steve Jobs; em segundo lugar, não parece que as vendas do iPad tenham sofrido muito com o lançamento do Kindle Fire, apesar do sucesso deste; e, por último, a existência de dois modelos no mercado com resoluções de ecrã diferentes iria causar transtornos  no ecossistema Apple, sobretudo ao nível da produção e comercialização de conteúdos.