O site Mashable publicou na sexta-feira um interessante artigo (publicado originalmente na UX Magazine) sobre ebooks interativos intitulado How Interactive Ebooks Engage Readers and Enhance Learning.

A invenção do tabelt com o seu ecrã táctil abriram uma nova área de negócio para a publicação de conteúdos, surgindo quase de imediato propostas de ebooks que apelam à intervenção do leitor, quer pelo toque dos dedos no ecrã quer pela movimentação dos dispositivos de leitura equipados com giroscópio.

A interatividade começou por chegar aos livros para crianças, por exemplo ebooks pop-up, mas as propostas atuais incluem  guias de viagem interativos que utilizam as capacidades GPS dos dispositivos, livros de culinária com tempos de confeção programados e vídeos explicativos, e aquela que talvez seja a área de maior crescimento no futuro: os ebooks didáticos. O recente lançamento da iBooks Author pela Apple, que permite de forma fácil criar e publicar livros interativos, deixa adivinhar uma explosão na disponibilidade de nosvos conteúdos para iPad.

O artigo do Mashable chama ainda a atenção para o facto de existirem diferentes níveis de interatividade e de grande parte das propostas pouco mais mais exigirem do que um toque do dedos no ecrã para lançar um vídeo ou uma animação.  Para se tornar significativa, a interatividade deve proporcionar experiências que não seriam possíveis com o livro físico, e refere como boa pática a este respeito o ebook de  Al Gore Our Choice,  um grande exemplo do que será o futuro da edição digital.

Outros bons exemplos apontados são aplicação para iPad Martha Stewart Cookies, um livro de cozinha interativo, e Paris: DK Eyewitness, um ebook de viagens igualmente para iPad.