Um artigo de ontem no Library Journal  reproduz uma importante declaração da editora Random House, a de que as bibliotecas são proprietárias dos ebooks que adquirem. Lembramos que, ao contrário do que acontece com os livros em papel, a plena propriedade dos ebooks adquiridos pelas bibliotecas não é reconhecida por todas as editoras. Há, por exemplo, editoras que limitam os empréstimos pelas bibliotecas com base no conceito de que estas apenas adquirem um direito de utilização do ebook e não a sua plena propriedade.

Em Portugal, como hoje se pôde constatar no 11.º Congresso  da Associação Portuguesa Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas (BAD), o empréstimo de ebooks em bibliotecas encontra-se ainda numa fase (pré)embrionária, mas esta não deixa de ser uma boa notícia para o setor, pois resolve, ainda que parcialmente, um dos principais obstáculos à implementação de um sistema de empréstimo de ebooks.