Leitura em papel vs. leitura em ecrã: efeitos na compreensão leitora

2 comentários


readInvestigadores de uma universidade norueguesa publicaram recentemente, no International Journal of Educational Research, um estudo, realizado junto de 72 crianças de 2 escolas norueguesas, que pretende demonstrar que ler em papel, comparativamente com a leitura em ecrã, resulta em melhor compreensão leitora.

Para além de uma amostra tão reduzida, o que é surpreendente neste estudo é a metodologia utilizada: o texto digital foi distribuído em pdf (?) e lido no ecrã de um computador de 15 polegadas, com fonte com serifas (Times New Roman).

Se quiséssemos obter resultados diametralmente opostos, bastaria inverter a usabilidade: distribuir o texto digital em epub num ecrã de tinta eletrónica ou num tablet, e as versões em papel num minilivro, daqueles com apenas meia dúzia de palavras por página…
photo credit: fiddle oak via photopin cc

Anúncios

Editora Abril oferece 4 revistas digitais

Deixe um comentário


ibaA editora brasileira Abril, através da sua plataforma iba, está a oferecer, durante os próximos dois meses (até 13 de setembro), o download gratuito de quatro publicações.

Os utilizadores podem escolher os 4 títulos da sua preferência entre o catálogo de revistas da Abril, no qual se incluem títulos como Veja, Exame, Você S/A, Info, Superinteressante, Mundo Estranho, Viagem e Turismo, National Geographic, Casa Claudia, Claudia, Lola, Elle, Boa Forma, Alfa, Vip e Quatro Rodas.

Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva tem aplicação para smartphones

Deixe um comentário


imageA biblioteca Lúcio Craveiro da Silva acaba de lançar uma aplicação para smartphones que permite, partir de qualquer dispositivo móvel pesquisar no catálogo, ver as próximas atividades a realizar na biblioteca e as novidades. Permite também consultar os empréstimos e reservas e as respetivas datas de devolução. A aplicação está disponível para Windows phone e Android, e brevemente para iPhone e Windows 8.

Ebooks nas bibliotecas públicas de Espanha a partir de 2014

Deixe um comentário


ebooks&bibliotecas

O jornal El País dava ontem destaque à iniciativa do governo espanhol de avançar para o empréstimo de ebooks em todas as 5 mil bibliotecas públicas de Espanha já a partir do próximo ano. O principal objetivo deste projeto é fomentar a leitura digital legal em colaboração com a Federação de Grémios de Editores de Espanha e pretende disponibilizar às bibliotecas públicas uma plataforma de empréstimo de ebooks com um catálogo de cerca de 1500 títulos distribuídos por oito categorias.

Em Portugal, o digital continua ausente das políticas públicas (e privadas) sobre o livro e a leitura, isto apesar de há meio ano ter sido aprovada a Agenda Digital e do sucesso comprovado de iniciativas de e-empréstimo que nos chega de além-fronteiras (é claro que o incompreensível empréstimo pago praticado pela Biblioteca Nacional de Portugal não faz parte desta equação).

 

“Ler e formar leitores no século XXI” com transmissão ao vivo

2 comentários


lereformarleitoresO encontro “Ler e formar leitores no século XXI”,  que decorre hoje no auditório  da Direção de Serviços da região do Alentejo, em Évora, está a ser transmitido ao vivo em streaming.

Ebooks e bibliotecas

Deixe um comentário


Apresentação usada na comunicação “Os desafios do digital no mercado editorial e nos serviços prestados pelas bibliotecas” no encontro Ler e Formar Leitores no século XXI – desafios digitais, que decorre hoje na Direção de Serviços da Região Alentejo, em Évora.

Jovens leitores mais dispostos a pagar por conteúdos digitais [estudo]

Deixe um comentário


graph

Um estudo do Reuters Institute for the Study of Journalism veio demonstrar que a geração mais jovem (sobretudo dos 25 aos 34 anos, mas também dos 18 aos 23) está mais disposta a pagar por conteúdos digitais, nomeadamente notícias, do que as gerações mais velhas.

Uma das explicações para esse facto poderá ser uma maior penetração de tablets e smartphones (os principais dispositivos usados para a leitura de notícias em formato digital) junto dessas faixas etárias, mas não deixa de ser surpreendente, sobretudo porque contrairia o lugar-comum de associar os nativos digitais ao consumo acrítico da informação disponível gratuitamente na rede.

O estudo, que abrangeu vários países do mundo, tem outro resultado interessante no que à língua portuguesa diz respeito. O país  onde os leitores compram mais conteúdos digitais em forma de notícias é o Brasil, com 24%, bem à frente de Japão (14%), EUA  (12%) e GB (9%).

Via mhpbooks

Older Entries