Energy Sistem Pro HD – um e-reader com Android

Deixe um comentário


es

A Energy Sistem tem disponível um leitor de ebooks com ecrã multitátil E Ink Carta™ HD de 6″, luz incorporada e sistema anti-reflexo, que apresenta como principal novidade a incorporação do sistema operativo Android e um processador dual core. O e-reader dispõe de ligação Wi-Fi, permitindo acesso à loja de aplicações da Google e a instalação de apps. O preço em Portugal é de 139 euros e oferece uma garantia de 3 anos.

Anúncios

Os direitos de autor na era digital

1 Comentário


Image1O Euronews tem um programa semanal interativo – o «u talk» – que permite aos espectadores fazer perguntas sobre a Europa: funcionamento, desafios, problemas, que são respondidas por um especialista. A última edição foi sobre direitos de autor na era digital e o Euronews convidou Agustín Reyna, conselheiro legal da BEUC – Organização Europeia dos Consumidores – para responder às dúvidas dos espectadores. As perguntas e as respostas podem ser vistas aqui.

Guia de Modelos de Compras de Licenças de Ebooks para Bibliotecas e Editoras

Deixe um comentário


Guia-de-modelosEste guia, que resulta da colaboração entre Bookwire, plataforma especializada na distribuição de ebooks e audiolivros, e a Dosdoce.com, companhia especializada no desenvolvimento de modelos de negocio digitais,  tem como principal objetivo proporcionar aos profissionais do livro (editores, bibliotecários, agentes, autores, etc.) uma  visão panorâmica das inúmeras oportunidades que oferece o amplo conjunto de modelos de licenças de ebooks e dissipar dúvidas ou ideias preconcebidas em relação a estes modelos.

Na Alemanha, ebooks eróticos só podem ser adquiridos depois das 22h

Deixe um comentário


9171753057_4a103ab9a6_nA Associação Alemã de Editores e Livreiros determinou que os ebooks para público adulto apenas podem ser vendidos a partir das 10 da noite. A nova lei obriga os editores a identificar, através de metadados, todos os livros com conteúdos não adequados aos jovens e que permita que as lojas apenas os disponibilizem entre as 10 da noite e as 6 da manhã.

Quem não cumprir arrisca multas, que podem chegar aos 500 mil euros. Esta nova lei é na prática uma extensão de uma lei de 2002, chamada Jugendmedienschutz-Staatsvertrag, e que visa impedir que crinças adquiram revistas, romances gráficos e livros considerados para adultos.

Alguns editores já puseram em causa a eficácia desta nova norma, considerando que fazia mais sentido um sistema que obrigasse os compradores a provarem a idade.

Via GoodEreader
photo credit: DSC00876 via photopin (license)

Comissão Europeia vai investigar venda de ebooks da Amazon

Deixe um comentário


5154254605_d875221d5eA Comissão Europeia abriu ontem uma investigação para apurar se os contratos da Amazon com as editoras são nocivos para a concorrência. O que está sobretudo em causa são algumas cláusulas dos contratos que obrigam os editores informarem a Amazon sobre ofertas mais vantajosas que recebam de concorrentes e/ou oferecerem à empresa norte-americana condições semelhantes.
“É meu dever assegurar que os acordos da Amazon com os editores não prejudicam os consumidores, ao impedir que outros distribuidores de ebooks possam inovar e competir eficazmente com a Amazon”, afirmou Margrethe Vestager, comissária europeia com a pasta da concorrência, em comunicado ontem divulgado.
A Amazon já é alvo da Comissão noutra questão de concorrência, por recorrer ao “tax rulling”, um mecanismo que permite a empresas multinacionais reduzir o que devem pagar em impostos por meio de acordos com a administração fiscal de um país.
A última vez que a Comissão lançou uma investigação sobre o setor de ebooks foi em dezembro de 2011, com suspeitas de que a Apple e cinco editoras internacionais se teriam aliado para limitar a concorrência de preços. Em julho de 2013, as companhias visadas anunciaram vários compromissos para responder às preocupações das autoridades europeias.

photo credit: Kindle vs.iPad via photopin (license)

Venda de ebooks nos EUA com uma quebra de 6% em 2014

1 Comentário


medium_6816581220Em 2014 foram vendidos nos EUA, o principal mercado mundial, 223 milhões de ebooks, menos 17 milhões do que no ano anterior.

Estes dados foram apresentados pela Nielsen na BookExpo America e resultam da PubTrack Digital, que recolhe estatísticas das vendas de ebooks das 30 maiores editoras norte-americanas.

O mercado de ebooks representou no ano passado 26% do mercado de edição, uma diminuição de dois pontos percentuais relativamente a 2013.

A ficção juvenil cresceu 10% em 2014, embora represente somente 15% do mercado global nesta categoria. Isto deve-se, de acordo com a Nielsen, ao facto de mais de metade dos adolescentes continuar a preferir formatos impressos (24% preferem decididamente livros em papel e 30% preferem o papel mas estão disponíveis para ler ebooks).

Estes dados confirmam o abrandamento do mercado de ebooks nos EUA nos dois últimos anos, depois de um espetacular crescimento, na ordem dos 3 dígitos, nos primeiros anos da década (300% em 2010, por exemplo).

Curiosamente, apesar do decréscimo no número de unidades vendidas, os lucros da comércio de ebooks cresceram 5% em 2014, de acordo com a  Association of American Publishers ($15,7 mil milhões, comparado com $15 mil milhões em 2013).

Via The Book Seller

União Europeia a caminho do mercado único digital

1 Comentário


320px-EU_flagsA Comissão Europeia apresentou na semana passada a sua estratégia para a criação de um Mercado Único Digital, que tem como principal objetivo uma uniformização da legislação dos 28 mercados europeus de modo a, tirando partido de plataformas eletrónicas, fazer crescer a economia europeia e concorrer com o mercado norte-americano.
A estratégia assenta em três pilares:
1- Melhor acesso dos consumidores e empresas a bens e serviços digitais em toda a Europa;
2- Criação de condições adequadas e de condições de concorrência equitativas para o desenvolvimento de redes digitais e de serviços inovadores;
3- Otimização do potencial de crescimento da economia digital.
Estes três pilares são depois operacionalizados em 16 medidas, entre as quais se preconiza o fim dos bloqueios geográficos, a remodelação da legislação sobre direitos de autor, a computação em nuvem europeia, diversas medidas de incentivo ao comércio eletrónico transfronteiriço e um plano de ação para a administração pública em linha, estabelecendo uma ligação e partilha de dados entre as diferentes administrações públicas nacionais.

Preve-se que estas medidas sejam aplicadas até ao final de 2016.

Imagem: wikimedia

Older Entries