Kotobee – software gratuito para criar ebooks

1 Comentário


Image1Kotobee é uma ferramenta de criação de ebooks disponível gratuitamente para Windows e Mac e oferece um conjunto de funcionalidades que fazem dela uma das melhores soluções gratuitas.

Para além dos elementos habituais – texto, imagens, vídeo, objetos 3D – o Kotobee permite adicionar componentes de interatividade, nomeadamente questões (do tipo escolha múltipla, verdadeiro ou falso ou seleção múltipla), podendo configurar diferentes tipos de feedback de acordo com a resposta dos leitores. Permite ainda incluir outros elementos de interactividade, como widgets ou html5, e a funcionalidade text-to-speech.

A exportação pode ser feita numa variedade de formatos, como Word, PDF, Epub e mobi, e também como desktop application, sendo por isso possível incluir o ebook numa plataforma LMS como o  Moodle.

O ebook criado no Kotobee pode também ser exportado como aplicação para iOS, Android e Windows Phone (embora neste caso tenha um custo).

Google Docs permite exportar em formato epub

Deixe um comentário


Image1

A popularidade do formato ePub – formato standard para ebooks – é cada vez maior, e a Google acaba de dar um passo importante para a sua afirmação ao adicionar a opção de exportar em e ePub aos seus documentos Google. A partir de agora, qualquer documento guardado na drive da Google pode ser convertido num ebook simplesmente clicando »Ficheiro», depois em «Transferir como» e finalmente em «Publicação EPUB».

Um supercomputador no bolso

Deixe um comentário


A extraordinária evolução da tecnologia nas últimas duas décadas é magnificamente representada neste infográfico, que demonstra o crescimento exponencial da capacidade de computação dos dispositivos eletrónicos. Por exemplo, a recente PlayStation 4 é 150 vezes mais poderosa do que o Deep Blue, o famoso supercomputador criado pela IBM em 1997, especialmente para jogar xadrez com o então campeão do mundo Garry Kasparov (que perderia uma partida com o Deep Blue).

infographic-about-computers_547764034c660

A Sony está a desenvolver um novo DRM para ebooks

Deixe um comentário


A Sony está a desenvolver um novo DRM para ebooks, que pretende ultrapassar alguns dos estrangulamentos associados ao sistema da Adobe. Uma das novidades será a possibilidade de revender o ebook.

 

António Damásio não vê problemas na dependência digital

Deixe um comentário


small__5577983558António Damásio, um dos maiores especialistas mundiais nas neurociências e diretor do Instituto do Cérebro e da Criatividade na Southern Califórnia University, esteve em Portugal e deu uma entrevista à RTP Informação onde afirma que a tecnologia está a modificar a forma como o cérebro funciona e desdramatiza os riscos habitualmente associados à dependência da tecnologia, sobretudo junto das gerações mais jovens.
A ver aqui.

 photo credit: Suzie Katz via photopin cc

Ebooks com cheiro a livro

Deixe um comentário


small__4821131678Um dos derradeiros argumentos para os indefetíveis dos livros em papel – o cheiro – poderá ter os dias contados. David Edwards, professor de engenharia biomédica na universidade norte-americana de Harvard, anunciou a criação de um aparelho – o oPhone – que permite gerar sinais aromáticos complexos, numa rápida sucessão de pequenas emissões de vapores, da mesma forma que um telefone transmite informações de áudio.
Os utilizadores de iPhone vão ter disponível uma aplicação gratuita, chamada oSnap, que pode ser descarregada nos telemóveis a partir de 17 de junho, disponibilizando 32 aromas originais. O utilizador pode combinar entre um e oito odores para criar o seu próprio aroma, sendo possíveis 300 mil combinações.
Nada obsta pois a que os leitores possam ler o seu ebook com a fragância que apreciam no papel.

Via Diário de Notícias
photo credit: Ertugrul Balikcioglu via photopin cc

Spritz – a reinvenção da leitura

Deixe um comentário


spritzA Spritz, uma startup sedeada em Boston (EUA), afirma ter reimaginado  o conceito de leitura (tem como lema «Reading Reimagined»). O conceito de base é que, ao invés da forma tradicional de leitura em que os olhos se movimentam para seguir o texto, o texto é exibido num ponto fixo e a leitura ocorre sem necessidade de deslocar o olhar. De acordo com os responsáveis pelo projeto, a leitura torna-se mais rápida e menos cansativa para os olhos.
A aplicação pode ser testada aqui, e embora incialmente pareça confusa, poderá ser uma boa solução para leitura em tecnologias wearables, como os smartwatches e o Google Glasses.

Via Gizmodo

Wikipedia vai passar a incluir áudio

Deixe um comentário


small_4381121155A mais conhecida enciclopédia online vai passar a incluir registos áudio nas suas entradas de texto.

O Wikipedia Voice Into Project (WikiVIP) pretende adicionar, a alguns dos artigos da wikipedia, pequenos ficheiros de audio gravados com a voz do autor do artigo ou do biografado, no caso de biografias de personalidades vivas.

Um  exemplo desta nova funcionalidade pode ser visto na página da Wikipédia inglesa sobre Stephen Fry (ator, argumentista, apresentador de televisão, cineasta e comediante britânico), cujo registo sonoro está disponível no resumo bográfico da coluna da direita.
photo credit: Aural Asia via photopin cc

Como a tecnologia mudou nos últimos 8 anos

Deixe um comentário


Equipamentos como o Kindle, o tablet, o smartphone, que ainda não existiam há oito anos, são hoje usados por milhões de utilizadores em todo o mundo. Por outro lado, os leitores de cassetes vídeo, os telemóveis simples e os computadores de secretária sofreram um decréscimo significativo. Um interessante gráfico do Business Insider, a partir dos dados estatísticos do Pew.

chart-of-the-day-consumer-electronics

E-readers sem bateria

Deixe um comentário


E-Paper

Uma das razões apontadas por quem ainda prefere a leitura e papel é o facto de o livro não depender de uma fonte de energia para o seu funcionamento. Ora os engenheiros da Disney Research and Carnegie Mellon University (EUA) acreditam ter resolvido esse problema, mediante uma tecnologia designada “Paper Generators.” Em vez de usar baterias, o Paper Generators cria eletricidade a partir do movimento do corpo humano e dos próprios toques no ecrã, combinado com estruturas de recolha de energia. Os geradores são feitos de materiais baratos, como papel e Teflon, e o seu funcionamento baseia-se no mesmo princípio que origina a eletricidade estática.
Este vídeo explica como funciona:

Via Engineering.com

Older Entries